Conexão, humildade e liderança por Henry Mintzberg

“A macro-liderança é tão ruim quanto a micro” – Henry Mintzberg

Sigo o blog Leadership Freak de um escritor chamado Dan Rockwell, que é pastor e consultor na Pennsylvania (!). Ele entrevistou Henry Mintzberg que é um acadêmico canadense renomado e autor de livros de relevância em administração. É Ph.D. pelo MIT.

O blog publica pequenos posts que são de arrepiar os cabelos porque tem uma visão original e completa ao adicionar um pouco de conhecimento religioso que falta nos posts (em geral, vazios) de administração. Faz uma ponte entre as técnicas e fundamentos e a ética nos negócios. (Importante, não?)

O post de hoje traz uma visão simples e forte de como um líder deve engajar-se na organização.

Os líderes tem que sujar suas mãos também. É destrutivo separar os conceitos de administração e liderança.”

Henry Mintzberg acredita que líderes focados em criar as estratégias e a visão mas que ficam distantes das trincheiras desenvolvem uma visão tão fora da realidade que o restante dos integrantes dificilmente engajam-se nela.

Mintzberg também acredita que há um perigo maior ainda: criar e engajar a organização numa alucinação e ter dificuldades ao executá-la.

Pior ainda, uma estratégia e visão desconectada das trincheiras é um dos maiores problemas com macro-liderança, mas há um outro mais devastador: a arrogância.

“A arrogância vem do distanciamento” – Henry Mintzberg

Quando Dan Rockwell perguntou sobre um conselho que ele amaria compartilhar sobre o assunto, ele lhe disse: “Conecte-se”.

Sobre conexão, humildade e liderança

Ao se conectar, você expressa, cria e nutre humildade e assim ganha legitimidade para liderar. O distanciamento sugere independência enquanto conectar-se requer interdependência.

A humildade é sempre uma prática e nunca apenas teoria. Falar sobre humildade sem praticar humildade resulta em arrogância. Quando Jesus disse para deixar o líder entre vocês ser aquele que os serve, ele virou o conceito liderança da época de cabeça pra baixo e mostrou a cura para a arrogância.