Olhando para nosso alimento

O comer desperto, consciente é uma prática importante. Ela nutre a consciência em nós. As crianças são muito capazes de participar conosco. Nos monastérios budistas, nós comemos nossas refeições em silêncio para ser mais fácil prestar total atenção a comida e aos outros membros da comunidade que estão presentes. E, nós mastigamos cada pedaço de comida, pelo menos trinta vezes para nos ajudar a entrar em contato com ela. Comer dessa forma é muito bom para a digestão.

Antes de cada alimentação, um monge ou uma freira recita as Cinco Contemplações:

“Esta comida é um presente de todo universo – da terra, do céu e de muito trabalho duro.
Que vivamos de uma maneira que seja digna dessa comida.
Que nós transformemos nossos estados de mente débeis, especialmente os da ganância.
Que nos alimentemos apenas de comidas que nutram e previnam doenças.
Que aceitemos essa comida como a realização do caminho do entendimento e do amor.”

Então, nós olhamos para a comida profundamente e de uma forma que possibilite ela se tornar real. Contemplar nossa comida antes de comer de forma desperta pode ser uma fonte real de felicidade. Toda a vez que eu seguro uma jarra de arroz, eu sei quão afortunado eu sou. Eu sei que quarenta mil crianças morrem todo dia por causa da falta da comida e que muitas pessoas estão sozinhas, sem amigos ou família. Eu visualizo-os e sinto uma profunda compaixão. Você não precisa estar em um monastério para praticar isso. Você pode praticar em casa em sua mesa de jantar.

Comer conscientemente é uma maneira maravilhosa de nutrir nossa compaixão e encoraja-nos a fazer algo para ajudar aqueles que estão famintos e sozinhos. Nós não precisamos ficar com medo de comer sem ter a TV, rádio, jornal ou uma conversação complicada para nos distrair.

Na verdade, é maravilhoso e alegre estar completamente presente com nossa comida.

Texto extraído de Living in Christ, Living in Buddha de Thich Nhat Hanh

A foto em destaque vem do post sobre a alimentação familiar de 1 semana em vários países do mundo. Vale muito a pena.