Buda

Não acredite em nada, não importa onde leu ou quem falou, mesmo que seja eu quem tenha dito, a menos que você concorde com sua própria razão, seu próprio senso comum.

Foco

mosaico ulisses e as sirenes

Gastar muito tempo na internet pode ter um custo alto na sua vida. Mas como retomar o foco?

mosaico ulisses e as sirenes
Odisseu (Ulisses) amarrado ao mastro de sua embarcação para se salvar das Sirenes na Odisséia de Homero, o grande poema épico Grego. Mosaico Romano do século III AD, Tunísia.

Se você procurar por foco no Wikipedia, você vai encontrar que: “Foco em geral é tomado como o centro de e é nessa asserção que é tomada como o ponto onde se concentram os raios luminosos que passam por uma superfície transparente. Alternativamente é o ponto de convergência ou donde saem emanações.”

Acho que nunca precisamos tanto de foco e concentração quanto agora para manter uma certa serenidade e sem dúvida, a sanidade.

Continue lendo “Foco”

A propriedade é fragmentada na economia conectada

Tenho pensado muito sobre modelos de negócios tradicionais em comparação aos novos modelos de negócios na internet.

Os fundamentos da economia da era da internet, ou como queira chamar, são diferentes da economia tradicional e vem gradativamente alterando nosso ambiente.

Na economia em rede, a propriedade é fragmentada em uma gama de pedaços, acelerada pelas vias eletrônicas e dispersadas, distribuída entre os trabalhadores, capitalistas de risco, investidores, parceiros, outsiders e, pelos seus concorrentes. Continue lendo “A propriedade é fragmentada na economia conectada”

Jack Dorsey e a natureza da invenção

Jack Dorsey, co-criador do Twitter e do novo Square, é um inventor com uma visão bastante superior e ética com relação aos contemporâneos startupeiros que costumam pensar mais em fazer dinheiro ou melhorar seus pitches para os VCs.

Dorsey tem uma visão clara da sua posição no mundo e como poucos, clareza do papel do inventor e dos fundamentos. Teve tempo e recursos para gestar as idéias com o que fez no Twitter.

O conceito de que “o futuro já chegou mas está distribuído de forma desigual pelo mundo”  vale a pena ser desenvolvido.

Se a questão é tentar diminuir a distância entre a tecnologias e seu uso “distribuído igualitariamente”, você já pode pensar com mais clareza sobre a resposta.

Entender que tecnologia tem que ser útil e invisível é uma obviedade daquelas que só se tornam óbvias depois que alguém como Dorsey fala.

Desemprego tecnológico: Não apenas nos EUA

China-mfg-and-employ
As vagas caem mas a produção cresce.

Andrew McFee, o principal pesquisador cientista do MIT que estuda o impacto da tecnologia acaba de postar esse gráfico que mostra a evolução do emprego na China em contraste com a produção.

A China aumentou sua produção em 70% entre 1996 e 2008, ao mesmo tempo que o número de vagas de trabalho caiu em 25%.

A automatização das fábricas na China está acontecendo de forma aguda e a produtividade está se acelerando, como aconteceu nos EUA há algumas décadas. Esse ganho de produtividade se dá pelo emprego de inovações tecnológicas.

Mesmo o custo do trabalho sendo apenas 4% do valor do trabalho nos EUA, as fábricas chinesas estão apostando em automação para o aumento de produtividade.

Isso deixa mais claro o quanto a tecnologia está impactando o mundo dos negócios em ritmo acelerado e porque não decisivo na nova guerra fria China versus EUA.

Manifesto pro Herói do Hoje (ou porque você tem que rever seus conceitos e business plan)

Panda
A Terra foi parecida com Marte e pode voltar a ser em breve.
A Terra foi parecida com Marte e pode voltar a ser em breve.

Infelizmente, todos os ecosistemas da Terra estão sendo violentados. Eles se conectam formando o planeta Terra, um sistema interdependente de ecosistemas que nos mantém vivos e protegidos.

Tudo está interconectado.

Panda
Você não seria diretamente responsável pela extinção dessa espécie. Mas, indiretamente, sim, você é.

As consequências das ações da espécie humana no planeta podem demorar a acontecer mas como lei universal, toda a ação tem sua reação. Os resultados de curto prazo estão aí, épocas de dominância e riqueza (embora mal distribuída), explosão populacional, exploração em um nível cada vez mais acelerado. Domínio e exploração de recursos “esgotáveis”.

O ser humano é o responsável pela maior extinção de espécies da história do planeta e os economistas ainda usam PIB sem considerar que sua equação não leva em conta o valor da interdependente ecologia do planeta.

O que é PIB e porque ele é  um conceito míope

produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região, durante um período determinado. O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia com o objetivo de mensurar a atividade econômica de uma região. Somando todos os PIBs, temos um PIB global.

O PIB global em grande parte pode ser visto como o montante (em valores monetários) que o ser humano rouba do Planeta Terra para uso próprio.

Os astutos economistas e empreendedores precisam reconsiderar a atual concepção de crescimento econômico.

O crescimento econômico baseado no PIB não leva em consideração a destruição necessária e suas implicações. Em outras palavras: o termo PIB é míope e obsoleto para o nosso nível de consciência atual. E, mantê-lo em uso sem revisão é crime para as futuras gerações.

Ele contabiliza lucros ao se “esquecer de colocar” na conta o preço dos insumos naturais.

O PIB Global subtraído do custo/depreciação do insumo (Valor do Planeta) dá um prejuízo que é contabilizado numa conta aberta no crédito com um único contador e usurário: Natureza ou para alguns, Deus. (A natureza é como um daqueles cobradores que avisam, dão algumas chances de redenção mas quando chega a hora, é bastante rigoroso).

(Significado de Usurário: adj. e s.m. Que, ou aquele que empresta com usura; agiota. Avaro, sovina, pão-duro.)

Esse gasto, na velocidade que está sendo inflingida, nós, os perdulários, ainda estaremos vivos para acompanhar Deus nos cobrando com juros. (Se já não está, com o Aquecimento Global…) Continue lendo “Manifesto pro Herói do Hoje (ou porque você tem que rever seus conceitos e business plan)”

A disciplina do menos

Greg McKeown, escreveu para Harvard Business Review:

Por que as pessoas e organizações que já tem sucesso não se tornam automaticamente enormes sucessos? Uma explicação interessante é devido ao que podemos chamar de “o paradoxo da clareza”, que pode ser resumido em quatro fases previsíveis:

Fase 1: Quando nós realmente temos clareza de propósito, isso nos leva ao sucesso.
Fase 2: Quando temos sucesso, isso nos leva a mais opções e oportunidades.
Fase 3: Quando temos opções e oportunidades em mais quantidade, isso nos leva a esforços difusos.
Fase 4: Esforços difusos minam a clareza que nos trouxe o sucesso em primeiro lugar.

Curiosamente, e exagerando o ponto para deixar mais claro: o sucesso é um catalizador para o fracasso.

Eu gosto dessa teoria como base para entender o sucesso excepcional da Apple. Steve Jobs era orgulhoso de dizer “não”. Na entrevista para o All Things D de 2004, perguntado sobre o PDA da Apple: “Eu sou tão orgulhoso dos produtos que não fizemos quanto dos produtos que fizemos”. Veja outros exemplos aqui e aqui.

Tim Cook, na conferência do Goldman Sachs sobre tecnologia em 2010 falou:

Nós podemos colocar todos os nossos produtos nessa mesa. Esses produtos vendem $40 bilhões por ano. Nenhuma outra empresa pode fazer uma afirmação como essa exceto uma empresa de petróleo. Nós somos a empresa mais focada que eu já conheci ou li a respeito.

Nós dizemos não para boas idéias todos os dias. Nós dizemos não para grandes idéias para manter o número de coisas que focamos pequeno.

Conexão, humildade e liderança por Henry Mintzberg

Henry-Mintzberg

“A macro-liderança é tão ruim quanto a micro” – Henry Mintzberg

Sigo o blog Leadership Freak de um escritor chamado Dan Rockwell, que é pastor e consultor na Pennsylvania (!). Ele entrevistou Henry Mintzberg que é um acadêmico canadense renomado e autor de livros de relevância em administração. É Ph.D. pelo MIT.

O blog publica pequenos posts que são de arrepiar os cabelos porque tem uma visão original e completa ao adicionar um pouco de conhecimento religioso que falta nos posts (em geral, vazios) de administração. Faz uma ponte entre as técnicas e fundamentos e a ética nos negócios. (Importante, não?)

O post de hoje traz uma visão simples e forte de como um líder deve engajar-se na organização.

Os líderes tem que sujar suas mãos também. É destrutivo separar os conceitos de administração e liderança.”

Henry Mintzberg acredita que líderes focados em criar as estratégias e a visão mas que ficam distantes das trincheiras desenvolvem uma visão tão fora da realidade que o restante dos integrantes dificilmente engajam-se nela.

Mintzberg também acredita que há um perigo maior ainda: criar e engajar a organização numa alucinação e ter dificuldades ao executá-la.

Pior ainda, uma estratégia e visão desconectada das trincheiras é um dos maiores problemas com macro-liderança, mas há um outro mais devastador: a arrogância.

“A arrogância vem do distanciamento” – Henry Mintzberg

Quando Dan Rockwell perguntou sobre um conselho que ele amaria compartilhar sobre o assunto, ele lhe disse: “Conecte-se”.

Sobre conexão, humildade e liderança

Ao se conectar, você expressa, cria e nutre humildade e assim ganha legitimidade para liderar. O distanciamento sugere independência enquanto conectar-se requer interdependência.

A humildade é sempre uma prática e nunca apenas teoria. Falar sobre humildade sem praticar humildade resulta em arrogância. Quando Jesus disse para deixar o líder entre vocês ser aquele que os serve, ele virou o conceito liderança da época de cabeça pra baixo e mostrou a cura para a arrogância.