A ilusão do foco

Daniel Kahneman
Daniel Kahneman (Foto: Wikipedia)

Escrevi um post há algumas poucas semanas sobre foco e lendo o livro “This will make you smarter”, editado por John Brockman do www.edge.org que eu leio há muitos anos, encontrei um texto do Daniel Kahneman, que é Professor Emeritus de Psicologia na Universidade de Princeton e foi recebedor do Prêmio Nobel em 2002 em Ciências Econômicas. Ele também escreveu recentemente o livro Rápido e Devagar que teve alguma repercussão na mídia.

Kahneman é um pensador genial e bastante malicioso. Ele consegue entender como ninguém as sutilezas e malandragens de nossas falhas mentais como podemos ver nesse texto que fala sobre como coisas crescem de forma desproporcional em nossa mente ao darmos uma atenção focal ao assunto, o que ele chama de a ilusão do foco.

Parece uma coisa bastante trivial e é, mas essa pequena questão acaba por trazer muita distorção em nossa forma de analisar a realidade. Porém, sabendo de sua existência, podemos ficar alertas e diminuir o impacto que isso tem em nossas vidas. Em que se focar é tão importante quanto o não se distrair. Continue lendo “A ilusão do foco”

Growth Hacking em Menlo Park

Um colega, Richard Price esteve no Growth Hackers Conference em Menlo Park na última sexta. Entre os palestrantes estavam pessoas que encabeçaram times de crescimento ou Growth Hacking no Facebook, Twitter, LinkedIn, Zynga e no Dropbox.

A Growth Hackers Conference almeja ajudar os encarregados pelo marketing das empresas a usarem dados efetivamente para o crescimento das empresas.

Um dos temas que apareceram muito foi a idéia de se achar um indicador para usuário que se tornaria um usuário frequente mais tarde. O time de crescimento iria focar então seu trabalho em otimizações para esta métrica. Todos os participantes haviam liderado equipes de Growth Hacking. Continue lendo “Growth Hacking em Menlo Park”

Foco

Gastar muito tempo na internet pode ter um custo alto na sua vida. Mas como retomar o foco?

mosaico ulisses e as sirenes
Odisseu (Ulisses) amarrado ao mastro de sua embarcação para se salvar das Sirenes na Odisséia de Homero, o grande poema épico Grego. Mosaico Romano do século III AD, Tunísia.

Se você procurar por foco no Wikipedia, você vai encontrar que: “Foco em geral é tomado como o centro de e é nessa asserção que é tomada como o ponto onde se concentram os raios luminosos que passam por uma superfície transparente. Alternativamente é o ponto de convergência ou donde saem emanações.”

Acho que nunca precisamos tanto de foco e concentração quanto agora para manter uma certa serenidade e sem dúvida, a sanidade.

Continue lendo “Foco”

A propriedade é fragmentada na economia conectada

Tenho pensado muito sobre modelos de negócios tradicionais em comparação aos novos modelos de negócios na internet.

Os fundamentos da economia da era da internet, ou como queira chamar, são diferentes da economia tradicional e vem gradativamente alterando nosso ambiente.

Na economia em rede, a propriedade é fragmentada em uma gama de pedaços, acelerada pelas vias eletrônicas e dispersadas, distribuída entre os trabalhadores, capitalistas de risco, investidores, parceiros, outsiders e, pelos seus concorrentes. Continue lendo “A propriedade é fragmentada na economia conectada”

Jack Dorsey e a natureza da invenção

Jack Dorsey, co-criador do Twitter e do novo Square, é um inventor com uma visão bastante superior e ética com relação aos contemporâneos startupeiros que costumam pensar mais em fazer dinheiro ou melhorar seus pitches para os VCs.

Dorsey tem uma visão clara da sua posição no mundo e como poucos, clareza do papel do inventor e dos fundamentos. Teve tempo e recursos para gestar as idéias com o que fez no Twitter.

O conceito de que “o futuro já chegou mas está distribuído de forma desigual pelo mundo”  vale a pena ser desenvolvido.

Se a questão é tentar diminuir a distância entre a tecnologias e seu uso “distribuído igualitariamente”, você já pode pensar com mais clareza sobre a resposta.

Entender que tecnologia tem que ser útil e invisível é uma obviedade daquelas que só se tornam óbvias depois que alguém como Dorsey fala.

Desemprego tecnológico: Não apenas nos EUA

China-mfg-and-employ
As vagas caem mas a produção cresce.

Andrew McFee, o principal pesquisador cientista do MIT que estuda o impacto da tecnologia acaba de postar esse gráfico que mostra a evolução do emprego na China em contraste com a produção.

A China aumentou sua produção em 70% entre 1996 e 2008, ao mesmo tempo que o número de vagas de trabalho caiu em 25%.

A automatização das fábricas na China está acontecendo de forma aguda e a produtividade está se acelerando, como aconteceu nos EUA há algumas décadas. Esse ganho de produtividade se dá pelo emprego de inovações tecnológicas.

Mesmo o custo do trabalho sendo apenas 4% do valor do trabalho nos EUA, as fábricas chinesas estão apostando em automação para o aumento de produtividade.

Isso deixa mais claro o quanto a tecnologia está impactando o mundo dos negócios em ritmo acelerado e porque não decisivo na nova guerra fria China versus EUA.