Marcus Aurelius on what his father taught him about humility, honor, kindness, and integrity

marcus aurelius

What it takes to attain “the mark of a soul in readiness.”

Marcus Aurelius is considered the last of Ancient Rome’s Five Good Emperors, but he is perhaps best remembered for his contributions to philosophy as one of the most influential Stoics. His proto-blog Meditations (public library; free download) is as much a portal into his inner life as a record of his “personal micro-culture” — the myriad influences he absorbed and integrated into what became his own philosophical ideas, which endure as pillars of Western thought.

Bust of Marcus Aurelius (reign 161–180 CE).
Bust of Marcus Aurelius (reign 161–180 CE). (Photo credit: Wikipedia)

Continue lendo “Marcus Aurelius on what his father taught him about humility, honor, kindness, and integrity”

Dokkōdō

Dokkōdō (独行道 Dokkōdō; “O Caminho da Solidão” ou “O Caminho a ser Seguido Sozinho”) foi um livro escrito por Miyamoto Musashi (宮本 武蔵) uma semana antes de morrer em 1645. É um trabalho curto, consistindo de vinte e um preceitos; os preceitos 4 e 20 são omitidos na primeira versão. Foi composto quando Musashi entregou suas posses em preparação para a morte, e foi dedicado ao seu discípulo favorito, Terao Magonojo (a quem o Go rin no sho também fora dedicado). Expressa um estilo de vida honesto e ascético.

Os preceitos

  1. Aceite tudo como é.
  2. Não procure o prazer físico para seu proprio partido.
  3. Em nenhuma circunstância, dependa de um sentimento parcial.
  4. Considere a si mesmo com leveza; considere o mundo com profundidade.
  5. Durante a sua vida, evita o desejo, até o proprio desejo de nada desejar.
  6. Não lamente o que fez.
  7. Não possua inveja.
  8. Não se deixe entristecer por uma separação.
  9. Ressentimento e reclamação são inadequadas tanto para si como para os outros.
  10. Não deixe se guiar pelos sentimentos de luxuria ou amor.
  11. Em todas as coisas, não tenha preferências.
  12. Seja indiferente ao local onde reside.
  13. Não persiga o gosto da boa comida.
  14. Não carregue bens que já não necessita.
  15. Não aja de acordo com as crenças habituais.
  16. Não colecione ou pratique com armas para além do necessário.
  17. Não tenha receio da morte.
  18. Não tenha a intenção de possuir objetos ou um feudo na velhice.
  19. Respeite deuses e Buda sem contar com o seu auxilio.
  20. Ainda que abandone sua vida, preserve a sua honra.
  21. Nunca se afaste do Caminho.
Enhanced by Zemanta

O empiclecimento global

Empiclecimento Global

Está em curso uma grande transformação global que vai nos afogar no vinagre

It’s your life — but only if you make it so. The standards by which you live must be your own standards, your own values, your own convictions in regard to what is right and wrong, what is true and false, what is important and what is trivial. When you adopt the standards and the values of someone else or a community or a pressure group, you surrender your own integrity. You become, to the extent of your surrender, less of a human being. — Eleanor Roosevelt

Um amigo faz uma analogia inteligente sobre o processo no qual passamos ao trabalhar para uma corporação ou ao pertencer a um grupo de idiotas, o que ele chama de empiclecimento.

Um vidro de picles tem inúmeros ingredientes como pepino, milho, cebola e outros muitos que eu não consigo lembrar, mas que dado certo período de tempo, tornam-se inevitavelmente e apenas…picles. Não importa o que seja, entrou, virou picles.

É, com gente é assim também, você entra cheio de autenticidade de vida e quando menos espera já é um picles. Igual aos outros, jogando a sua personalidade fora e pertencendo aquela tribo que esteriliza as suas propriedades fazendo os sabores dos ingredientes mais fortes prevalecer. (Aqui, você pode também trocar a palavra ‘fortes’ pela palavra ‘adaptados’, pra gente não fazer Carlos Roberto Darwin virar no caixão, afinal, essa analogia também é evolucionista.)

É, com a gente parece que é o mesmo. Sinto dizer: estamos em um processo global e aceleradíssimo de empiclecimento. Continue lendo “O empiclecimento global”

Respeite-se, Brasil. Ame-se, Brasil.

Fernando de Noronha Brasil

As causas mais profundas do amor próprio não têm nada a ver com algo exterior a você – nem com seu corpo ou com as expectativas sobre você mesmo. Se você se basear na sua própria bondade, nada será capaz de destruir sua auto-estima. Delicie-se com sua natureza interior, com suas virtudes e com todas as suas qualidades lindas.

— Karmapa

Hoje, ouvi um amigo criticando que só no Brasil as coisas eram assim ou assim. Ouço isso desde sempre mas me recuso e dessa vez, fiquei puto.  Nós continuamos achando que o brasileiro é inferior ou ‘defeituoso’, e que os caras ‘de lá’ são muito melhores. Aquele famoso: “Os americanos são muito melhores.”

Não vejo nada pior do que isso pra o nosso respeito próprio e auto-estima. O mundo “melhor” já criou algumas guerras mundiais, destruiu todo seu meio-ambiente, dizimou espécies e “genocidou-se” infinitas vezes. Nós já temos nossa lista de crimes, claro, temos uma elite corrupta de políticos e mercenários, bandidos a solta nas ruas e no controle do país. Mas no fundo o que eu mais vejo por aqui e por ali, são amigos de uma população maravilhosa, trabalhadora e bondosa que merece mais.

Nós dividimos essa curta vida. Nós vivemos essa p… toda juntos nessa terra que tem praias, sol, pessoas lindas, mulheres incríveis, cores, alegria, tem tudo. TEM TUDO. “Terra onde em se plantando tudo dá” (Lembra dessa tb?)

Se eu pudesse falar algo agora pra todos, diria: respeitem-se, amem-se. Não esperemos ninguém validar nossa humilde grandiosidade e nossa abençoada vida.

Uma das terríveis conseqüências do desamor é que não cuidamos do que não amamos. E, precisamos urgentemente amar o Brasil e cuidar dele.

Não existe um lugar sem problemas, um lugar onde só existam pessoas bonitas, inteligentes e ricas, todas acima da média. Essa utopia fomentada pelo marketing só traz insatisfação pra quem acredita nesse conto do vigário, das celebridades instantâneas, das propagandas de sutiã e calcinha. Bonito sim é um sorriso da nossa mulher multicolorida, um abraço bem apertado do nosso amigo mais querido. Não se iludam, não me iludo, pães de açúcar, corcovados.

Aos trancos e barrancos, vamos seguindo nossas vidas que são nossas. Somos independentes, somos capazes e estamos vivos (yeaaahh!) depois de tantas desgraças e experts profetizando o contrário.

Acho que devemos proteger nossas matas, bichos e índios, comer muito da nossa comida espetacular. Precisamos cuidar muito de nós mesmos com todos nossos defeitos de terceiro mundo e, vamos em frente porque Deus nos colocou nesse lugar paradisíaco chamado Brasil. Eu acho que posso te dizer que mais da metade do mundo gostaria de estar por aqui hoje. (E, talvez outra metade no Rock in Rio. =:) ) Parece que só quem não se dá o valor hoje, é o brasileiro, porque o mundo tá apaixonado pela gente.

“Que lugar colorido e fantástico! É tão VIVO aqui! Cachorros latindo, risadas saindo de todas as janelas, músicas para lá de contagiantes, lindas pinturas nas paredes das ruas, até mesmo o som de fogos, tudo isso nesse lugar elétrico cheio de um sopro coletivo de vida!” – Alicia Keys

Sem que haja respeito ou amor por nós mesmos, nunca vamos construir nada melhor para nossas famílias e amigos aqui nessa terra abençoada. Precisamos amar, proteger e cuidar pra que a coisa toda melhore. E, isso exige amor maternal, fraternal, paternal, de todo tipo mesmo. Na humildade, na honestidade, consertando essa coisa toda, um dia por vez, sem complexo de inferioridade, fazendo a nossa parte e tocando a bola pra frente.

This is it ou, é nóis, mano.

PS: Com ou sem STJ dando a lambuja de hoje. Que merda.

PS 2: A cantora Alicia Keys deixou uma mensagem pro Brasil que vale a lida:

“Querido Brasil,

Estou apaixonada por você. Não é surpresa que você enfeitiça todos que vêm aqui e inspira tantas canções a serem escritas sobre você e tantas histórias a serem contadas sobre você. Eu cheguei alguns dias antes dos meus shows porque era aniversário do meu marido e nós queríamos sentir um gostinho de você.

Que lugar colorido e fantástico! É tão VIVO aqui! Cachorros latindo, risadas saindo de todas as janelas, músicas para lá de contagiantes, lindas pinturas nas paredes das ruas, até mesmo o som de fogos, tudo isso nesse lugar elétrico cheio de um sopro coletivo de vida!

Até o momento, eu vi o Cristo se acender enquanto o sol se põe, fiz brigadeiro na casa de amigos novos, provei as mais deliciosas comidas feitas de coco, ouvi samba nas vozes de homens e mulheres que te arrepiam, presenciei capoeira nas ruas do centro da cidade, descobri a música brasileira dos anos 1970, conheci alguns dos artistas de rua mais fenomenais do mundo atualmente (graças ao meu marido, que também está intensamente afetado pela sua cultura vibrante) e abracei as pessoas mais apaixonadas pela vida que já conheci!

Eu me sinto em casa aqui! O calor é meu companheiro, a música é minha inspiração, e eu agradeço a todos vocês por me receberem nesse lugar fenomenal e por colocarem minha mente num lugar totalmente novo. Eu acredito que esse é só o começo para nós, lindo Brasil.

O começo de uma lembrança significativa!

Estou ansiosa por sermos amigos por um longo tempo.

Com amor e gratidão,

Obrigada,

Alicia”

RIO from SCIENTIFANTASTIC on Vimeo.

Enhanced by Zemanta

Toda a forma de saber será hackeada

O rei está nú.

“Quanto mais a sociedade se distancia da verdade, mais ela odeia aqueles que a revelam.”
George Orwell

A internet já é um campo minado. Buscamos informação para viver e recebemos informação corporativa e monitoramento governamental. O sonho da internet acabou?

Marketing de conteúdo é a nova moda na internet e promete estragar mais um pouco do ambiente jogando mais lixo na rede.

Novidade não é, mas parece…movida pelo interesse dos players corporativos querendo comercializar seus aplicativos, serviços, broches e camisetas. A expressão “The content is king” já é falada até aqui no bar perto de casa mas tem gente que ainda acha que é a mais recente descoberta humana.

A grande maioria das empresas, hoje, está sendo pressionada a produzir seu próprio conteúdo informativo e não-publicitário para construir e engajar seus consumidores, diga-se tribo. Notícias, novidades, artigos, opinião, livros, infográficos, tweets, Facebook posts, Youtube vídeos…Slideshares, publicados com regularidade. Como era de se esperar, há mais porcaria do que nunca eclodindo no “universo paralelo” digital que diz mais ou menos assim: “Vocês, consumidores idiotas e manipuláveis, podem consumir esse lixo de conteúdo e compartilhar entre seus amigos (mais idiotas ainda) assim podemos criar um efeito em cadeia de compra do meu produto.”. E, então desse pensamento sublime emergem novidades esdrúxulas como detalhes sobre o acabamento do fio que interliga o fone de ouvido ao jack, ou a cor da cueca do Jay-Z, sem falar nos ‘leaks’ de produtos a serem lançados em bares nos arredores da matriz em São Francisco.

Ainda bem que feed não tem cheiro.

Continue lendo “Toda a forma de saber será hackeada”

A marca como um manifesto

O julgamento final - Michelangelo

“Onde há dignidade, senão onde há honestidade?” ― Cícero

Eu tenho 38 anos e quero viver a minha vida sem arrependimentos. Quero chegar lá, olhar pra trás e descobrir que entre as perdas e danos do processo, eu consegui vivê-la dignamente e, se possível, seja merecedor de uma medalha de honra ao mérito.

Se você procurar por honra no Wikipedia vai encontrar que “honra é a avaliação do procedimento de uma pessoa e estado social baseado nas adoções daquele indivíduo e ações. O oposto de honra é a desonra (ou opróbrio)”. Não diz muito claramente de primeira mas, lendo um pouco mais, encontro na mesma fonte que: “Honrado é julgamento que determina o caráter de uma pessoa exatamente: se ou não, a pessoa reflete “honestidade” (um conceito em português, que tem respaldo na Bíblia, de não-Corrupção, de “respeito”, “integridade” e/ou “justiça social”.

Samurai
Os samurais colocam a honra acima da sua própria vida.

No Japão, a honra sempre foi vista como um quase-dever (pelo Samurai, mas também pelo cidadão comum). Quando se perdeu a honra ou a situação fez-lhe perder, havia apenas uma maneira de salvar a sua dignidade: a morte. Seppuku (vulgarmente chamado de “harakiri“, fincar uma espada no abdômen) foi a mais ilustre morte em tal situação. A única forma de um Samurai morrer mais honradamente era ser morto em uma batalha com uma espada.”

Já pesquisando por integridade, encontrei que “vem do latim integritate, que significa a qualidade de alguém ou algo ser íntegro, de conduta reta, pessoa de honraéticaeducada, brioso, pundonoroso, cuja natureza de ação nos dá uma imagem de inocênciapureza ou castidade, o que é íntegro, é justo e perfeito, é puro de alma e de espírito.

São exemplos de integridade moral e corporal: a vida íntegra, a integridade física, dos bens sociais e individuais, integridade da honra e da fama, a integridade da intimidade pessoal, do nome, da imagem e dos sentimentos. É indiscutível a admissão da existência de determinados bens da personalidade e sua integridade, portanto, esta coaduna com o respeito, e este com a moral, e, quem tem moral, é íntegro.

Um ser humano íntegro não se vende por situações momentâneas, infrigindo as normas e leis, prejudicando alguém por um motivo fútil e incoerente. A moral de uma pessoa não tem preço e é indiscutível.” Continue lendo “A marca como um manifesto”

O dilúvio de informações só começou

Evolução do volume de palavras por mídia de 1900-2010 nos EUA
Evolução do volume de palavras por mídia de 1900-2010 nos EUA
Evolução do volume de palavras por mídia de 1900-2010 nos EUA. Uau.

A The Economist acaba de publicar a matéria Wordy Goods – Americans are exchanging ever more words no seu blog sobre estatísticas e gráficos.

Como iremos consumir palavras nas próximas décadas? A  McKinsey Global Institute trouxe respostas analisando a comunicação nos Estados Unidos desde 1900. Comparou tudo incluindo a palavra falada e cartas escritas enviadas pelo correio com redes sociais e emails.

Se você sente que passa muito mais tempo recebendo informações por dia, você está certo.

A pesquisa encontrou que a troca via papel não foi esmagada pela internet como se acha normalmente. O rádio foi. A televisão também. Segundo a matéria, a consultoria quer mostrar que ainda há crescimento para a comunicação via redes sociais, o que parece óbvio. As redes sociais são hoje a malha da internet, e é por lá que navegamos (o que sugere um problema pra o Google Search?).

A televisão deve se tornar mais e mais social no futuro e com a digitalização e os aparelhos como AppleTv e outros, isso vai acontecer nos próximos anos, rapidamente.

Notem que nos últimos 5 anos houve uma aceleração ainda mais grave do volume de palavras trocadas. Talvez, e muito provável seja a razão de nos sentirmos esmagados pela quantidade de informação que recebemos diariamente.