Veritas est adaequatio rei et intellectus

Ao falarmos de essência e da idade média, devemos retomar a frase de São Tomas de Aquino “Veritas est adaequatio rei et intellectus” . O motivo desta retomada é pelo fato de que não foram encontradas traduções esclarecedoras quanto as encontradas em filosofia. Neste sentido, sugerimos uma abordagem um pouco diversa da tradução “verdade é o significado dos fatos“, comumente usada e a qual julgamos não fazer sentido sob a ótica estudada aqui.

Leite (2007,), aborda em sua dissertação o sentido da palavra adaequatio que pode ser definindo como a relação igual entre duas coisas. Podendo unificar as noções de rei (coisa) e intellectus (intelecto). Veritas rei é caracterizado pela entidade coisa. A entidade da coisa é a condição de possibilidade para que o intelecto se conforme a ela. No entanto, segundo São Tomas de Aquino, a coisa natural não pode se adequar ao intelecto criador. Em outras palavras, um artefato (coisa) deveria se conformar ao intelecto do artífice (criador). Mas, quando consideramos a palavra Veritas, o sentido muda e seria o intelecto criador que deveria se conformar ao artefato em si, e não ao contrário. Ainda, segundo São Tomas de Aquino, o intelecto criador deve se adequar à coisa natural, pois a verdade é a mesma para todos e a entidade coisa, sempre será a mesma. Isso também é definido na teoria de Aristóteles, De interpretatione, em que as palavras faladas são signos que definem a essência das coisas, e mesmo ao se falar idiomas diferentes, a essência das coisas é a mesma, pois as coisas em si, das quais atribuímos as palavras, são as mesmas. Dessa maneira, a obra estaria relacionada ao intelecto do arquiteto criador, sendo esta formada de coisas independentes. Neste sentido, podemos sugerir que a linguagem arquitetônica que Mies buscava descobrir, estaria relacionada a essência das parte que compõe um obra arquitetônica, e essa essência segundo São Tomas é igual em qualquer estância, sendo apenas o intelecto que é modificado.

Do mesmo modo, o sublime, para Mies, estava na qualidade do próprio material, usado na construção e na manifestação de sua essência, através dos detalhes mais apurados e eliminando o supérfluo.

E, assim, “Veritas est adaequatio rei et intellectus” pode ser visto como: a verdade é expressada através da adequação entre o objeto e o intelecto.

*LEITE, Thiago Soares. Tomás de Aquino e o conceito de Adaequatio. Dissertação de mestrado apresentada na Universidade católica do Rio Grande do Sul. 2007.

Publicado por André Bartholomeu Fernandes

Em 2004, André foi responsável por levar internet discada para mais de 4.400 cidades brasileiras. Estudou eletrônica e tecnologia na Unicamp, Harvard e MIT. Trabalha intensivamente em sua nova empresa: Hack além de atender mais de 150 clientes. André criou um blog sobre empreendedorismo, o Jornal do Empreendedor.